Dicas Bridgestone para proteger seu carro em um longo período parado

1 – A partir de 30 dias, a pressão do pneu pode ser afetada, causando sua deformação.

2 – Quando for calibrá-los, utilize de 1 a 3 pontos PSI acima do padrão recomendado pelo fabricante.

3 – Desloque o veículo alguns centímetros, para variar os pontos de apoio dos pneus.

4 – Assim que voltar a usar o veículo, lembre-se de recalibrar os pneus para garantir a pressão ideal.

5 – A circulação de óleo e combustível periodicamente ajudará o bom funcionamento do motor.

6 – O calor, o frio e a chuva podem ter impacto no veículo. Se puder, mantenha o seu carro guardado em uma garagem fechada ou coberta.

7 – Ligue o veículo uma vez por semana para manter a bateria ativa.

Fonte: Bridgestone.

Condução segura em estradas sinuosas

Não importa se você é novo na direção ou se já tem experiência ao volante, a regra é a mesma para todos em trânsito. Você deve evitar dirigir a uma velocidade excessiva em uma estrada cheia de curvas. Esse princípio é válido tanto para uma estrada longa e sinuosa, quanto para uma rotatória tranquila dentro do bairro na cidade.

Você frequentemente verá sinais de trânsito alertando sobre uma curva que se aproxima com um limite de velocidade recomendado, mas por que uma estrada sinuosa é tão potencialmente perigosa em uma situação de direção? Porque quando um veículo vira ao longo de uma curva, existem dois tipos distintos de movimento.

Primeiro há o momento do carro avançando. Segundo a inércia da carroceria do veículo entra em vigor, conforme segue a curva. As forças centrífugas tentarão empurrar o carro para fora e os pneus terão que trabalhar mais para resistir a essas forças enquanto navegam na estrada cheia de curvas. Se um motorista faz uma curva a uma velocidade muito alta, os pneus perdem a aderência gradualmente e começam a derrapar.

Dicas para dirigir em curvas

Além de dirigir devagar, há uma técnica útil para estradas com curvas sinuosas; tente girar o volante o mínimo possível sem cruzar a linha central

Observação: esta não é uma recomendação para cortar completamente o interior de uma curva em uma via pública; isso levaria você ao caminho do tráfego oposto e colocaria em risco outros motoristas.

Em vez disso, o conselho é que os motoristas façam uso sensato da largura da faixa, para que possam fazer a curva mais facilmente e melhorar sua visão ao seu redor. Girar a roda o mínimo possível é a chave.

Há três etapas para percorrer uma curva com segurança:

Ao se aproximar de uma curva, diminua a velocidade de maneira apropriada e posicione seu carro na lateral da pista que é oposta à direção da curva. Se a estrada for para a direita, por exemplo, vá para o lado esquerdo da sua pista.

Enquanto continua a conduzir pela curva, posicione o veículo suavemente em direção ao outro lado da faixa.

Ao se aproximar do final da curva, volte gradualmente à posição normal em sua pista e acelere em linha reta.

Essa técnica de direção segue a linha do arco mais amplo possível; reduz a severidade de uma curva e, portanto, exerce menos pressão sobre os pneus, reduzindo o risco de derrapagem e perda de controle. Além disso, os motoristas têm uma visão mais clara da estrada à frente e mais tempo para reagir a qualquer perigo.

E é nesse ponto que você deve ficar ainda mais alerta para outros motoristas e tráfego durante uma curva. Se outros veículos estiverem muito perto do centro da estrada enquanto você estiver fazendo a curva, isso poderá colocar você em risco de colisão frontal.

Dicas para retomar o controle em caso de derrapagem

Se o veículo começar a derrapar na curva, o motorista não deve reagir com pânico quando descobrir que os freios, acelerador e volante não estão funcionando normalmente.

Em vez disso, deve tirar os pés do freio e do acelerador. As duas mãos devem permanecer no volante, mas não deve fazer movimentos bruscos.

O importante é evitar manobras excessivas e pisar no freio com muita força. Depois que o veículo tiver tido tempo para desacelerar, recupere o controle com segurança; aplique suavemente o freio e comece a dirigir novamente.

Fonte: Continental.

Como entender e evitar os danos nos pneus

Desgaste prematuro

O desgaste prematuro dos pneus pode ocorrer por diferentes fatores, grande parte deles por conta de mau uso ou descuido na hora de dirigir. Para evitar o desgaste prematuro, vale prestar atenção a algumas dicas:

–    Calibre corretamente e regularmente seus pneus

–    Evite sobrecarga

–    Faça o rodízio corretamente

–    Mantenha os pneus balanceados e o veículo alinhado

–    Evite frenagens e/ou arrancadas bruscas

Causas de desgaste irregular nos pneus

O desgaste irregular em pneus pode estar relacionado a alguns fatores. Seguem exemplos de possíveis causas do desgaste irregular:

—  Desalinhamento de rodas

— Rodízio dos pneus não efetuado no tempo devido

—  Eixo torto

—  Pressão baixa e/ou sobrecarga, pressão excessiva

—  Desbalanceamento das rodas

—  Utilização de estradas com alto grau de inclinação

—  Combinação inadequada de pneus e aros

As nossas principais recomendações são:

—  Corrigir desalinhamento e/ou desbalanceamento das rodas

—  Executar o rodízio, para que o padrão de degaste se torne uniforme. Se necessário, inverter os pneus nos aros

—  Corrigir irregularidades mecânicas

— Manter pressão adequada e evitar sobrecarga

—  Mover os pneus para o eixo de tração quando for constatado desgaste no ombro nos pneus dianteiros

Causas de rachaduras na lateral do pneu

As rachaduras nas laterais (flancos) do pneu indicam que o produto pode ter sofrido algum impacto, o que pode ter afetado a estrutura do pneu. Procure uma revenda de pneus com profissionais capacitados para análise (consulte o SAC da Bridgestone).

Os pneus nestas condições não devem ser reparados e a orientação é a de substituição imediata.

Causas de bolhas nos pneus

As bolhas (saliências/protuberâncias) que aparecem nos pneus, na parte interna ou externa, são normalmente ocasionadas por impacto contra obstáculos na pista ou contra o meio-fio. Esses impactos podem ocasionar o rompimento das lonas ou emendas internas e alteram a forma da borracha.

Fonte: Bridgestone.

Por que você deve verificar a pressão dos pneus pelo menos uma vez por mês

Dicas rápidas: Como verificar a pressão do pneu

  • Você terá uma leitura mais precisa se verificar a pressão quando os pneus estiverem frios.
  • Consulte o manual do veículo para  saber a pressão recomendada para os pneus dianteiros e traseiros.
  • Use um calibrador confiável para pressurizar os pneus, com manômetro funcionando corretamente.
  • Faça a leitura da pressão (PSI) em cada pneu e compare com o manual do veículo.
  • Ajuste a pressão mais alta ou mais baixa de acordo com a pressão recomendada para seu pneu, levando em consideração a carga do seu veículo.

Muitos acidentes são causados por pneus com pouca pressão. Se você ainda não está verificando seus pneus, é hora de começar a verificar seus pneus todos os meses. Você economizará dinheiro e poderá salvar vidas.

Uma vez a cada poucos meses é suficiente? Não, não é. Existem muitas razões pelas quais você precisa verificar a pressão dos pneus regularmente.

Economize. Os pneus se desgastam mais rápido se estiverem com pouca pressão e de forma irregular se estiverem com muita pressão – por isso, nos dois casos, você precisará comprar pneus novos com mais frequência. O cuidado adequado estabiliza a estrutura do pneu e pode prolongar a vida média de um pneu em incríveis 7.500 km. Você também economizará combustível: se os pneus estiverem com pouca pressão, o veículo consumirá mais combustível por quilômetro percorrido e, assim, alcançará menor quilometragem.

Desfrute de um passeio mais confortável. Pneus inflados adequadamente influenciam a capacidade de resposta do veículo, seu manuseio e desempenho. O que nos leva ao próximo ponto.

Segurança primeiro lugar. Se os pneus estiverem com pouca ou muita pressão, a dirigibilidade é afetada. A dirigibilidade torna-se lenta se os pneus estiverem com pouca pressão e perigosos se estiverem com muita pressão, especialmente se você estiver fazendo curvas em alta velocidade. Distância de parada, aderência de frenagem e estabilidade direcional são afetadas. À medida que os pneus lutam para permanecer na estrada, o calor se acumula, tornando as explosões mais prováveis e aumentando as chances de um acidente grave.

Considere o meio ambiente. Se os pneus do seu carro estiverem com pouca pressão, de apenas 4 PSI a menos, a resistência ao rolamento é aumentada. Assim, seu veículo consumirá cerca de 1,5% mais combustível e, portanto, liberará mais CO2. Calibragem adequada significa um equilíbrio perfeito entre segurança máxima e economia de combustível. Seus pneus durarão mais e você reduzirá a emissão de carbono.

Como verificar a pressão dos pneus?

A pressão dos pneus é expressa PSI (pounds per square inch). Baseia-se no peso e no tamanho de um veículo e é importante usar exatamente a pressão recomendada pelo fabricante para o seu veículo. Isso garantirá segurança e desempenho ideal.

Verifique a pressão a cada duas a quatro semanas e sempre antes de partir em viagens mais longas ou se estiver carregando cargas adicionais.

Pneus frios. Você obterá uma leitura mais precisa se verificar a pressão quando os pneus estiverem frios, antes que a temperatura externa suba e os pneus sejam expostos à luz solar direta. Se a temperatura externa aumentar 10 graus Fahrenheit, a pressão dos pneus aumentará 1 PSI. No inverno, em alguns climas, os pneus podem sofrer uma queda de até 5 PSI

Consulte o manual do veículo. Identifique a pressão recomendada pelo fabricante do veículo para os pneus dianteiros e traseiros. Esta é a quantidade mínima de pressão de ar necessária em pneus frios para apoiar o seu veículo. Você provavelmente verá duas figuras, uma para uso normal e outra para cargas completas; será algo como “35 PSI”. Você encontrará isso no manual do veículo no carro, dentro da tampa do depósito de combustível ou no batente da porta do motorista. Caso não encontre, consulte a concessionária, montadora ou profissional qualificado.

O manômetro. Use um manômetro confiável e preciso para pneus, você pode comprar um em um revendedor de autopeças ou encontrar em postos de gasolinas de forma gratuita. Existem os medidores digitais, que são operados por bateria, ou medidores do tipo bastão mais tradicionais.

Verifique a pressão dos pneus. Remova a tampa da válvula de ar do pneu e a guarde. Coloque o manômetro na válvula do pneu, pressione-o com rapidez e firmeza até que o som da fuga de ar pare. O manômetro no agora mostrará uma leitura do PSI. Compare isso com a recomendação do fabricante.

Ajuste a pressão. Se a leitura estiver acima da recomendação, empurre a válvula para deixar sair um pouco de ar. Você pode fazer isso algumas vezes até que o manômetro mostre a leitura correta. Se a leitura do PSI estiver abaixo da recomendação, use um compressor de ar (o calibrador no posto de gasolina, se você não possui um) para encher o pneu com ar até atingir o nível correto. Recoloque a tampa da válvula firmemente e repita o processo com os três pneus restantes, mais o estepe.

Fonte: Continental.