Oficina: quais são as limitações dos estepes temporários?

Na maioria das vezes, o limite de velocidade para andar com um pneu temporário é 80 km/h

Acomodar toda a bagagem no porta-malas às vezes não é tarefa fácil. O pneu reserva já ocupa um espaço significativo, restringindo a capacidade do bagageiro. O estepe temporário surgiu como uma solução para este problema. A roda é mais fina e leve, mas é preciso ter cuidado, pois estes pneus têm limitações e só devem ser usados em situações de emergência.

Meu pneu furou! Quase todos os motoristas já passaram por esta situação. Quando se troca o pneu por um estepe temporário, não há muitas diferenças quanto à montagem, mas é necessário ficar de olho na velocidade e na distância percorrida. Segundo Walter Abramides, engenheiro mecânico e proprietário da oficina Garage WEB, em São Paulo, a maioria dos veículos com estepe temporário só pode andar no máximo a 80 km/h e em uma distância média de 80 km.

Ignorar as regras é perigoso. Caso o condutor ultrapasse a velocidade, a borracha do pneu pode estourar. “O fabricante se protege e garante que em 80 km/h o estepe não tem deformação de diâmetro”. Já em relação à quilometragem, andar mais de 80 km pode causar o desgaste do pneu ao ponto de ficar sem borracha.

Em uma situação de frenagem brusca, os pneus temporários também não são muito eficientes. De acordo com Rubens Venosa, engenheiro mecânico da Oficina Motor-Max, em São Paulo, o ABS até dá controle ao carro, evitando uma possível derrapagem, entretanto como as rodas são mais finas, um dos lados do veículo terá uma tendência de frenagem errada. “O carro poderia brecar em 30 metros, mas vai precisar de 35 metros”.

 

Fonte: Revista Auto Esporte.

Revisão antes da viagem

Os itens que precisam ser checados antes de pegar a estrada

É hora de planejar roteiros e despesas para curtir um momento de lazer sem preocupações. Mas para evitar riscos ou inconvenientes durante o trajeto da viagem, é importante que seu automóvel esteja em ordem.

Preparamos uma lista de itens importantes a serem checados antes de cair na estrada, mesmo para quem segue a rotina de manutenção recomendada pela fábrica. Contudo, atente ao tempo: a revisão não deve ser feita na véspera, já que se houver necessidade de substituição de alguma peça, muitas vezes é impossível fazer isso de um dia para o outro. Confira:

Pneus

Não se esqueça de incluir o estepe na inspeção. No caso de haver uma ou mais bolhas, substitua imediatamente a unidade: é um indicativo de dano estrutural irreversível na carcaça, havendo sérios riscos de explosão, principalmente na estrada – onde o pneu é exposto a uma temperatura maior, elevando sua pressão interna.

Desgaste irregular na banda de rodagem é um indicativo de desalinhamento da suspensão, ou de uso de pressão inadequada no pneu por longos períodos. De acordo com a Resolução 558/80 do Código Nacional de Trânsito, os sulcos devem ter no mínimo 1,6mm de profundidade. É pouco se comparado a um pneu novo, com 8mm em média. Eles são vitais para a correta drenagem na banda de rodagem no caso de chuva, prevenindo a temida aquaplanagem.

Cheque a pressão de todos os pneus, e atente à quantidade de passageiros e bagagem que o carro irá carregar, pois quase todos os modelos exigem pressões diferentes para esta condição.

Rodas

Em rodas de ferro, procure amassados. Se a pressão de um pneu estiver mais baixa que os demais, é provável que a roda esteja amassada, permitindo a fuga de ar. O reparo é simples e pode ser feito por um bom borracheiro. Em rodas de liga, atente a quebras e trincas. Dependendo do caso, sua substituição pode ser necessária.

Triângulo, macaco e chave de roda

Não confira apenas se os itens estão no carro. Faça uma checagem de funcionamento: um triângulo com a haste de apoio quebrada não serve pra nada, por exemplo.

Alinhamento da suspensão e balanceamento das rodas

Muitas vezes são deixados de lado. O pior é que seus sintomas costumam aparecer somente em velocidades mais altas: vibrações ao volante, no caso de uma roda desbalanceada; ou direção desalinhada (o carro puxa para um dos lados), no caso de alinhamento fora das especificações de fábrica – que pode ocorrer quando o carro acerta um buraco ou a calçada.

Barulhos na suspensão

Rangidos, batidas secas ou ruídos que se assemelham a algo frouxo devem ser averiguados na autorizada. As condições de nosso pavimento podem levar a um desgaste de partes da suspensão antes do prazo previsto na revisão.

Fluidos

Na estrada, o motor é submetido a um esforço maior que no ciclo urbano. Por isso, é importante checar o nível, a validade de todos os fluidos e seus respectivos filtros, bem como a presença de vazamentos: líquido de arrefecimento, óleo do motor e transmissão, fluido de freio, direção hidráulica e embreagem, e nível do combustível do reservatório de partida a frio (carros flex). Se o prazo de troca de filtros e fluidos estiver próximo, não há mal em adiantá-lo.

Sistema elétrico

Confira se as lanternas, faróis e piscas estão funcionando corretamente. Substituir uma lâmpada queimada é algo rápido, e pode prevenir um acidente.

Sistema de limpeza dos vidros

Além do funcionamento dos limpadores e desembaçadores, confira o nível do reservatório de limpeza e o estado das palhetas. Se estiverem ressecadas, não farão o escoamento adequado da água. No dia da viagem, limpe bem os vidros: a sujeira reflete luz e dificulta a visão. Em carros sem ar-condicionado, não é má ideia levar um pano de algodão e um spray ante embaçante. Na chuva farão grande diferença.

Outros itens

No caso de você não ter seguido as revisões por um motivo ou outro, confira também o estado destas peças, seja na concessionária ou em uma oficina especializada. São itens que podem estar funcionando aparentemente bem, mas que poderão apresentar falhas ao serem submetidos ao esforço maior do uso rodoviário: Sistema de ignição e injeção, molas e amortecedores, rolamentos de roda, pastilhas de freio, coifas e juntas homocinéticas e a correia dentada do motor, bem como seus respectivos rolamentos.

 

Fonte: Quatro Rodas.

Inspeção veicular será obrigatória em 2019

Contran regulamenta programa nacional de inspeção que deverá verificar as condições de segurança e de emissão de poluentes dos veículos em circulação

O Conselho Nacional de Trânsito do Ministério das Cidades (Contran) regulamentou o Programa de Inspeção Técnica Veicular (ITV), que agora será nacional e deverá ser implementado em todos os estados brasileiros até o dia 31 de dezembro. O objetivo do programa é verificar as condições de segurança e de emissão de poluentes dos veículos em circulação. A medida também era um dos pontos sugeridos pelo programa Rota 2030, novo regime automotivo que ainda não foi aprovado pelo governo e segue em discussão.

A Anfavea, principal porta-voz da indústria e reponsável pela negociação do novo regime automotivo, apoia a regulamentação. “Este talvez seja um dos mais importantes avanços no que diz respeito às questões da segurança e melhoria da qualidade de vida das pessoas. Parabenizo o esforço do Contran e dos ministérios e órgãos envolvidos, na certeza de que reduziremos acidentes de trânsito, emissões e quebras de veículos sem condições de rodagem nas vias públicas”, afirmou em nota o presidente da Anfavea Antonio Megale.

Como vai funcionar?

De acordo com a resolução, a inspeção deverá ser realizada a cada dois anos em todos os veículos em circulação. Somente com o certificado da inspeção, os veículos poderão ser licenciados.

O cronograma, assim como o valor do serviço, será definido pelo Departamento de Trânsito (Detran) de cada estado, que terá até o 1º de julho de 2018 . O órgão também será responsável pela fiscalização.

A inspeção veicular poderá ser feita pelos órgãos executivos de trânsito, ou através empresas previamente credenciada. Mas o procedimento só poderá ser realizado com  equipamentos e instrumentos aprovados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Os procedimentos também incluirão a inspeção ambiental para o controle de emissão de gases poluentes e ruído em conjunto com a inspeção veicular tradicional. “Serão usados os parâmetros estabelecidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) para se realizar essa inspeção, conforme já previsto no artigo 104 do Código de Trânsito Brasileiro”, explica Elmer Vicenzi, diretor-geral de Denatran.

Quem será reprovado?

Serão reprovados no primeiro ano de operação da ITV os veículos que apresentarem Defeitos Muito Graves (DMG) ou Defeito Grave (DG) no sistema de freios, pneus, rodas ou nos equipamentos obrigatórios.

Também poderão não receber o certificado os veículos que apresentarem excesso de emissão de poluentes e de ruído. Mas o que serão considerados defeitos graves ou mesmo  excesso de emissões e ruídos ainda não foi especificado.

Regulamentação do Roadmap

A segunda resolução publicada pelo Contran trata do cronograma de estudos técnicos e proposta para a regulamentação de 38 itens de segurança veicular. Entre alguns exemplos estão aviso de afivelamento dos cintos de segurança e regulamentação para veículos elétricos e autônomos.

“A Resolução Nº 717 é fruto da discussão de diversos entes envolvidos no desenvolvimento da segurança veicular e garante previsibilidade para as empresas, que poderão conhecer os itens estudados e programar investimentos quando a respectiva implementação for estabelecida”, afirmou Antonio Megale.

 

Fonte: Revista Auto Esporte.

Aprenda a praticar direção defensiva em tempestades e neblina

Confira a seguir dicas preciosas para aumentar sua segurança em tempestades, neblina ou geadas.

  1. Diminua a velocidade, pois há perda de visibilidade e perigo de aquaplanagem;
  2. Mantenha distância de pelo menos 10 metros do veículo da frente – a medida é o comprimento de aproximadamente dois carros;
  3. Acenda o farol baixo durante o dia. Aumenta a visibilidade e alerta veículos de trás;
  4. Ligue imediatamente o desembaçador traseiro;
  5. Evite freadas bruscas e não faça manobras perigosas;
  6. Utilize a velocidade do limpador no mesmo nível do volume de água da chuva;
  7. Pare o carro no acostamento se a chuva estiver muito forte;
  8. Não use as mãos para limpar vidros embaçados, pois eles ficarão engordurados. Utilize um pano apropriado;
  9. Ligue o ar condicionado ou ventilador do carro. Se os vidros já estiverem embaçados, use ar quente;
  10. No caso de neblina, acenda imediatamente o farol baixo ou luzes de neblina;
  11. Jamais faça ultrapassagens;
  12. Mantenha a velocidade constante, sem fortes acelerações ou freadas bruscas;
  13. No caso de pistas de terra com muita lama, antes de tentar uma travessia verifique a consistência e profundidade das marcas deixadas por outros veículos. Se elas forem muito largas ou profundas, é melhor não arriscar.

 

Fonte: Michelin.

Pneus muito além da pressão

Na hora de viajar com a família, os pneus merecem um carinho especial. E não estamos falando apenas de calibrá-los corretamente

Não é novidade para o motorista que antes de colocar o carro na estrada é necessário calibrar os pneus. É só olhar no manual do proprietário para descobrir qual é a pressão correta para o veículo carregado.

Mas saiba que, antes de uma viagem, os cuidados vão muito além de uma parada no calibrador do posto de combustível. Para descobrir o que fazer nessa hora, consultamos dois especialistas no tema: Rafael Astolfi, gerente de assistência técnica da Continental, e Roberto Falkenstein, diretor de pesquisa e desenvolvimento da Pirelli para a América do Sul.

 

Desgaste

Veja se a banda de rodagem está desgastada de modo uniforme. Se não estiver, pode ser sinal de problema de alinhamento, balancea­mento ou calibragem. Nesse caso, não adianta fazer ajustes: eles devem ser trocados. Daí a importância de conservá-los sempre com a pressão correta e fazer o rodízio a cada 10.000 km, o mesmo período em que se deve checar alinhamento e balanceamento – ou antes de uma viagem.

 

Idade

Os pneus trazem a marcação da semana e do ano de fabricação em uma sequência de quatro números após a sigla DOT. A garantia da maior parte das marcas é de cinco anos após a fabricação. Decorrido esse período, a borracha começa a ressecar e pode apresentar trincas. Parar sobre poças de óleo ou outros produtos químicos também abrevia sua vida útil.

 

Válvulas

Se os pneus perdem pressão, o problema pode estar nelas (ou em rodas amassadas). Para avaliá-las, desloque-as levemente para os lados, para verificar se apresentam rachaduras ou sinais de vazamento.

 

Danos

Fique atento a furos, rasgos e bolhas. Pneus que perdem muita pressão ao longo dos dias estão furados ou com algum problema de vedação. As bolhas podem ser visíveis na lateral externa dos pneus, mas também podem estar na lateral interna, fora do alcance dos olhos. O ideal é inspecioná-los em alguma oficina. Não viaje com pneus com bolhas: elas podem se romper e fazer você perder o controle do automóvel.

 

Uniformidade

Rode sempre com os quatro pneus de mesma marca e medida. Se não tiver jeito, ao menos tenha dois da mesma marca no mesmo eixo, para evitar que cada lado se comporte diferente em frenagens ou outras situações. Veja se os sulcos estão acima do TWI, o indicador de desgaste da banda de rodagem. Pneus que atingiram o TWI já são con­siderados carecas. Troque-os!

 

Fonte: Quatro Rodas.