15 dicas para economizar combustível

Com o aumento dos impostos, litro da gasolina já chega perto de R$ 4,50 em alguns postos. Cuidado com o bolso!

Apesar do vai e volta, o aumento do PIS/Cofins chegou às bombas, com aumentos de até 9,12% no preço dos combustíveis. Confira aqui alguns conselhos para economizar ao volante. Truques simples, como usar mais o freio motor, ajudam o carro a render mais. E aviso aos pés pesados: nada de acelerações bruscas — afinal, você não quer bancar o pato nesses tempos em que o litro da gasolina só aumenta, não é?

Pé leve no acelerador

Nada de acelerações bruscas — use seu pé direito de forma progressiva.

Menos pé no freio

Precisa parar lá na frente? Tire o pé do acelerador com antecedência e o motor se encarregará de reduzir a velocidade do carro. Não deixe para frear com força mais adiante.

Freio motor

Faça uso do freio motor em declives acentuados. Sabe a “banguela”? Além de ser perigosa, não representa qualquer economia nos carros atuais. Ao descer a serra com um carro automático, ponha o seletor em uma marcha mais reduzida do que o drive.

Computador de bordo

Configure o computador para mostrar consumo imediato ou o consumo médio — e fique sempre atento aos números. Com o tempo, você pegará todas as manhas para dirigir de maneira mais econômica.

Câmbio 1

Não estique as marchas sem necessidade. Procure fazer as trocas em rotação adequada: se o carro tem conta-giros, tente fazer com que o motor trabalhe em rotação próxima, ou um pouco inferior, à do regime de torque máximo. Evite que o ponteiro chegue perto da rotação de potência máxima (os números relativos ao seu carro estão no manual ou podem ser encontrados na internet).

Câmbio 2

Muitos modelos modernos têm um indicador do momento mais econômico da troca de marcha. Use-o sempre que quiser gastar pouco combustível. Com o tempo, você passará a dirigir assim automaticamente.

Câmbio 3

Seu carro já tem caixa de seis marchas? Então, não se esqueça de usar a sexta em rodovias. Parece bobagem, mas há gente desligada que, simplesmente, mantém o câmbio em quinta pela estrada a fora.

Velocidade

Quer economizar? Tente dirigir em ritmo um pouco mais lento que o usual (especialmente nas velocidades acima de 100km/h). Pé leve e sensível, sempre.

Postos

Tente abastecer, sempre que possível, em postos confiáveis ou conhecidos.

Tipo de gasolina

Com gasolina comum, alguns centavos mais barata, os carros rendem a mesma coisa que com a gasolina aditivada. A diferença está apenas na limpeza que o combustível faz no motor. E vale dizer que, hoje, até a gasolina comum traz um pouco de aditivo.

Ar-condicionado

Na estrada, use o equipamento — compressores modernos já não exigem tanto esforço do motor. As janelas fechadas melhoram a aerodinâmica e, consequentemente, o consumo cai.

Revisões

Faça revisões e as manutenções preventivas e verifique, em especial, o estado das velas e o funcionamento da injeção eletrônica.

Filtros

Verifique se o filtro de ar está sujo. A substituição deve ser feita, em média, a cada 10 mil quilômetros, mas isso varia com o tipo de uso.

Calibragem

Mantenha os pneus com a pressão correta. Vá ao calibrador uma vez por semana. O ideal é que os pneus estejam frios na hora da calibragem.

Porta-malas

Você gosta de levar tralha no porta-malas desnecessariamente? Não carregue peso morto… Aproveite algumas horas livres para tirar os cacarecos do carro.

 

Fonte: Auto Esporte.

Ruídos no Automóvel: Conheça as principais causas e as diversas opções de pneus silenciosos

Nada mais desconfortável do que ruídos no automóvel. Além de irritarem os assageiros, ainda podem causar problemas de segurança – tanto em relação ao sistema do carro quanto ao diminuir o nível de atenção do condutor.

Os ruídos do carro podem vir dos pneus

  1. Quando o ruído é percebido fora do veículo

As principais fontes desse ruído são:

  • A rugosidade do solo;
  • O desenho da banda de rodagem.

Para reduzir o ruído, os fabricantes de pneus atuam no desenho da escultura. Neste caso, a palavra de ordem é equilíbrio dos desempenhos – ou seja, não degradar alguns atributos de um pneu em detrimento de outros.

  1. Quando o ruído é percebido dentro do veículo

O pneu absorve as irregularidades da estrada, sendo um importante elemento de conforto. Mas em algumas condições de uso, eles podem gerar vibrações e desconforto auditivos e mecânicos.

 

Fonte: Michelin.

Tudo o que você precisa saber sobre os pneus run flat

A Pirelli começou a fabricar no Brasil pneus do tipo run flat. Com esse recurso, os pneumáticos podem rodar sem ar por até 80 quilômetros, ao limite de 80 km/h.

Segundo avaliação da empresa, o mercado de automóveis e SUVs premium no Brasil é grande o suficiente para justificar a produção local. No entanto, a nova área na fábrica de Feira de Santana, na Bahia, também atenderá às exportações.

Por aqui, a demanda atual de pneus run flat esbarra nas 60.000 unidades ao ano. Até então, 100% das peças dependiam exclusivamente de importações. Esta é uma das razões pelas quais dificilmente se encontra medidas específicas para pronta entrega – uma das principais reclamações dos usuários no país.

Os run flat nacionais irão atender tanto às montadoras que produzem no Brasil quanto o pós-venda. Porém, a marca não confirma se haverá redução nos preços no varejo.

Pneus run flat têm reforços estruturais nos flancos, ombros e talões (a lateral e o aro de fixação na roda). Quando está totalmente sem ar pressurizado em seu interior, o peso do veículo fica apoiado nesta camada reforçada – as rodas não ficam diretamente em cima da banda de rodagem. Com isso é possível rodar em segurança sem que ocorra o detalonamento.

 

Fonte: Quatro Rodas.

É necessário trocar as válvulas quando fazemos manutenção em veículos de passeio?

Válvulas são comumente esquecidas nas manutenções dos pneus. O fato é que elas são equipamentos de segurança e possuem um papel de grande importância no conjunto roda-pneu.

O fator determinante desta importância está no fato que danos nas válvulas podem causar uma perda súbita de pressão, fazendo com que a pressão de ar do pneu zere repentinamente. Esta é uma situação que oferece um grande risco à segurança do veículo e de seus ocupantes.

Válvulas velhas também perdem sua capacidade de estanqueidade, fazendo com que os pneus percam sua pressão gradativamente.

Devido à sua localização e sua forma de montagem, é praticamente impossível fazer uma inspeção de integridade estrutural das válvulas de forma eficaz. Aliado a isso, inspecionar as válvulas não é uma prática comum, sendo sempre esquecidas durante as revisões do veículo.

O risco é causado pelo contato das válvulas com o furo de alojamento das rodas, que comumente gera cortes em seu corpo. Além disso, é comum que as válvulas ressequem com o passar do tempo, deixando-as ainda mais susceptíveis a cortes, o que pode causar uma falha no componente.

Por estes fatores, a Continental recomenda que as válvulas sejam substituídas sempre que montarmos pneus novos ou quando desmontamos um pneu para conserto cuja válvula esteja montada há muito tempo. E atenção: nunca reaproveite válvulas que foram desmontadas.

 

Fonte: Continental.

Conheça o serviço de alinhamento dos pneus

Os pneus são apenas uma parte do complexo conjunto que forma a suspensão do veículo. A correta manutenção de rodas, rolamentos, buchas, válvulas, molas, amortecedores e demais peças contribui com a vida útil, o desempenho e a segurança dos pneus.

O alinhamento da direção pode prolongar a vida de seus pneus. A direção desalinhada faz com que o pneu se arraste lateralmente nas retas, provocando desgastes irregulares, comprometendo a dirigibilidade e a segurança do veículo. Pneus que “cantam” nas curvas e volantes que teimam em permanecer tortos nas retas, são sintomas de desalinhamento.

  • Recomenda-se verificar ou refazer o alinhamento, no máximo, a cada 5.000 Km.
  • Refaça o alinhamento:
  • Após fortes impactos;
  • Quando constatado desgaste irregular dos pneus;
  • Quando os pneus forem substituídos ou houver rodízio entre eles;
  • Quando forem substituídas peças da suspensão.

 

Fonte: Goodyear.