O que é cambagem e quando fazer no seu carro

A cambagem tem a tarefa de distribuir o peso do carro sobre a banda de rodagem, assim evitando que a vida útil do pneu diminua, bem como alterações indesejáveis na direção, por exemplo, uma cambagem positiva deixa a direção mais solta, leve, como se o carro dançasse, pois elas estão voltadas para fora, o que diminui o desgaste.

O que é cambagem?

Nada mais é do que o ângulo medido na roda em relação à sua inclinação vertical. Dependendo do veículo, este ângulo pode variar de vários graus, é importante que este ângulo tenha o valor especificado pelo fabricante do veículo e deve ser igual também nas duas rodas dianteiras.

Este ângulo tem o objetivo de compensar os esforços laterais que ocorrem na roda durante a curva, melhorando a estabilidade do veículo. Para que você possa analisar a cambagem do seu carro, a ilustração abaixo mostra de forma exagerada a deformidade das posições dos pneus.

Quando fazer cambagem?

A resposta é simples! Se você transita por vias que tem muitos buracos, o que é muito comum em nosso país, às vezes é inevitável cair em um deles e, é ai que essas alterações no ângulo acontecem, tanto pelas fortes pancadas, excesso de buracos, e até mesmo abuso de peso e principalmente por molas defeituosas, desgaste de componentes que podem ser substituídos rapidamente para que o ângulo de camber volte ao indicado pelo fabricante.

O recomendável é verificar a situação do camber junto com o alinhamento e o balanceamento, assim quando o carro atinge 10 mil quilômetros, você garante que o seu carro sairá da manutenção perfeitamente regulado.

 

Fonte: Autostart.

Bridgestone explica a importância da calibragem

Pressão correta garante mais segurança e economia aos motoristas e ajuda na redução de emissão de CO2 na atmosfera

Cuidar da calibragem dos pneus é uma tarefa muito importante. Para a Bridgestone, maior fabricante de pneus do mundo, a pressão correta é um item essencial tanto para a boa dirigibilidade quanto para o menor desgaste. Além disso, é um dos principais influenciadores do consumo de combustível e, consequentemente, da emissão de poluentes.

De acordo com José Carlos Quadrelli, gerente geral de Engenharia de Vendas da Bridgestone, o motorista precisa estar sempre atento à calibragem do pneu porque ele é o principal elo entre o veículo e o solo. “A calibragem correta proporciona o aproveitamento ótimo dos sistemas de suspensão, transmissão, tração, direção e frenagem, trazendo assim maior segurança ao motorista e aos passageiros”, diz.

O proprietário precisa fazer uma checagem semanal da pressão dos pneus e respeitar a calibragem recomendada pelo fabricante, indicada pelo manual do proprietário, que em alguns casos também é encontrada no lado de dentro da tampa do bocal de combustível ou em outros pontos internos da carroceria. A calibragem deve ser verificada com os pneus frios (num posto não mais do que 2 km distante da casa do consumidor). O estepe também precisa ser examinado e calibrado com uma pressão maior de até 5 psi acima dos demais.

“A baixa pressão de inflação dos pneus pode acarretar vários danos ao veículo: perda de aderência, risco de detalonamento (quando o pneu “desencaixa” da roda), deterioração da estrutura interna do pneu devido ao aquecimento extremo durante a rodagem, instabilidade, maior esforço do motor e, consequentemente, aumento do consumo de combustível, o que resulta ainda na emissão de maiores quantidades de CO2″, explica Quadrelli.

Para atender as mais diversificadas demandas de seus clientes e realizar todas as manutenções preventivas e necessárias, a Bridgestone possui uma ampla rede de revendedores espalhados em todo o país.

Fonte: Bridgestone.

Pneus que salvam vidas: como e porque os pneus fazem a diferença

Os pneus são os pontos de contato entre o carro e a estrada. Esse simples fato, por mais insignificante que possa parecer, deveria bastar por si só para deixar claro como eles são vitais. Nenhum chassi de fibra de carbono, acabamento ultrassofisticado ou sistema de frenagem extremamente eficaz é de grande valia sem pneus com eficiência perfeita – ou, melhor ainda, com desempenho perfeito.

Pense na perda de rendimento que um carro de Fórmula 1® sofre à medida que os pneus vão deteriorando. Mas o tempo de uma volta não é tudo. Passando para a direção cotidiana, pneus eficientes significam segurança. Eles representam a diferença entre esquivar-se de um perigo ou se envolver em uma batida com consequências possivelmente bastante graves. São muitos os aspectos dinâmicos do carro afetados pelos pneus. Primeiro, a aderência: um pneu de alta qualidade (e não uma versão barata importada de um país qualquer) garantirá uma aderência à estrada inatingível por outros pneus que não contam com milhões de quilômetros e Euros investidos em Pesquisa e Desenvolvimento por trás de seu processo de industrialização.

Em suma, a manipulação do pneu pode significar fazer uma curva com a linha certa ou sofrer uma perda trágica de aderência com consequências que quase sempre dependem do Destino naquele instante. Aí, não dá para frear: as distâncias dependem enormemente da aderência à estrada oferecida pelos pneus. Mais uma vez, com um pneu de alta qualidade você conseguirá parar antes do que com um pneu de qualidade inferior. Para desenvolver o assunto, as condições do pneu são tão importantes quanto sua qualidade intrínseca. Um pneu de alta qualidade com a banda de rodagem desgastada não é capaz de garantir a mesma segurança que oferecia quando novo.

Esse é o caso especificamente na aquaplanagem, pois uma banda de rodagem desgastada não pode garantir o deslocamento correto da água. Depois, tem a questão da pressão correta: um aspecto muitas vezes negligenciado, mas que influencia muito na aderência à estrada, na reação em manobras de emergência e na eficiência da frenagem (além do consumo de combustível). Por fim, todos os pneus devem estar em condições de operar na melhor maneira possível.

 

Fonte: Pirelli.

Aquaplanagem: perigo nas chuvas

Dicas para se prevenir contra este grande inimigo

Sabe quando o carro passa pelo asfalto molhado e, por alguns segundos, ele parece deslizar, sem que você consiga controlá-lo? Esta perigosa experiência se chama aquaplanagem: a perda de contato do veículo com o solo pela existência de uma camada de água debaixo do pneu.

Quando o veículo passa sobre a superfície molhada, forma-se uma espécie de onda à frente dos pneus. A banda de rodagem rompe essa onda, por sua compressão. O problema se dá quando a pressão do pneu é inferior à da água: sem conseguir empurrá-la, ele perde o contato com o solo.

3 dicas de ouro para evitar a aquaplanagem

  1. Sempre confira a pressão dos pneus

Se os pneus estiverem 30% abaixo do recomendado pelo fabricante, a probabilidade de sofrer aquaplanagem aumenta significativamente.

  1. Nunca ande com pneus gastos

Sem a profundidade do desenho de escultura, o pneu perde a capacidade de drenagem da água.

  1. Diminua a velocidade

Quanto maior a velocidade do veículo e mais profunda for a poça de água, maior a probabilidade de ocorrer aquaplanagem. Portanto a dica é pegar mais leve no acelerador, principalmente quando há muita chuva.

 

Fonte: Michelin.