Pirelli dá dicas de condução segura sob Pista Molhada

Um dos maiores perigos na condução sob pista molhada é a aquaplanagem: como você pode evitar este fenômeno? A aquaplanagem resulta na “flutuação” do pneu e na perda imediata do atrito.

Trata-se de uma situação perigosa que normalmente é criada por extensões muito molhadas da estrada ou grandes poças de água, criadas pela drenagem insatisfatória da superfície da estrada, quando um veículo está em altas velocidades.

Nestas ocasiões, as ranhuras da superfície de rolamento não conseguem expelir a água sob o pneu e, na prática, você pode repentinamente sentir o carro “flutuando”.

Com uma condução cuidadosa e pneus que não estejam gastos e corretamente inflados este perigo pode, na maioria das ocasiões, ser evitado, uma vez que as superfícies de rolamento são projetadas para drenar a maior quantidade possível de água a fim de assegurar a melhor aderência possível. Agora que esclarecemos o conceito de aquaplanagem aqui estão alguns conselhos sobre como enfrentar esta situação. Não use os freios porque o carro está flutuando e, além disso, também há o risco de, assim que os pneus agarrarem outra vez, o carro mudar de direção repentinamente fazendo você perder o controle completamente. A melhor coisa a fazer é segurar firmemente o volante se preparando para um novo atrito tentando manter a direção de condução correta ao longo do percurso e tirar o pé gradualmente do acelerador dado que os giros do motor aumentam rapidamente assim que o carro começa a flutuar.

Fonte: Pirelli.

Partiu férias? Antes de pegar a estrada confira algumas dicas da Continental

Quando você pega a estrada, a sua segurança e a de sua família vem em primeiro lugar

A manutenção preventiva é fundamental para uma maior vida útil dos pneus

Antes de partir de férias com a família para um merecido descanso é muito importante cuidar dos pneus. Eles são o único ponto de contato entre o veículo e o solo e, justamente por isso, devem receber constante atenção.

O primeiro passo é conferir a calibragem. Os pneus devem ser sempre calibrados, ainda frios, respeitando a recomendação sugerida pelos fabricantes. Como orientação, um pneu é considerado frio após o veículo permanecer parado por pelo menos uma hora ou não ter rodado mais de três km em velocidade reduzida.

“Além de ser uma importantíssima medida de segurança, manter a correta calibragem dos pneus gera economia de combustível, pois faz com que a resistência ao rolamento seja minimizada”, destaca Rafael Astolfi, gerente de Assistência Técnica da Continental Pneus Mercosul. Ele lembra que a pressão insuficiente impede que a banda de rodagem tenha um contato total com o solo, sobrecarregando os ombros do pneu, ampliando a distância de frenagem e prejudicando, inclusive, o controle sobre a direção.

Nesse momento vale checar também a integridade das válvulas, pois elas sofrem desgastes e fadiga que podem levar a perdas súbitas de pressão. Caso elas apresentem uma superfície “craquelada” ou pequenas rachaduras na base é essencial substituí-las.

Observar se o pneu apresenta bolhas causadas por impactos contra buracos nas vias ou contatos contra o meio-fio é outra dica importante. “Bolhas são perigosas, pois podem aumentar de tamanho e se romper a qualquer momento, causando uma perda súbita de pressão do pneu. Por isso não podem ser ignoradas de forma alguma, independentemente do eixo do veículo no qual o pneu esteja montado. Nessas condições, o pneu fica inutilizado e deve ser substituído imediatamente”, explica Rafael Astolfi.

Também é fundamental atentar para o desgaste dos sulcos. Pneus que apresentem profundidades de sulco iguais ou inferiores a 1.6 mm não só deixam o motorista sujeito a multas como aumentam a probabilidade de acidentes em razão da menor capacidade de drenagem da água e do comprometimento tanto da frenagem como da tração.

Indicados para serem realizados a cada 10 mil km, o alinhamento da suspensão e o balanceamento do conjunto roda-pneu-válvula são recomendados assim como a medição e o ajuste da cambagem. “O perfeito alinhamento e balanceamento desse conjunto, além de ser um importante item de segurança, garante um excelente comportamento dinâmico do veículo na estrada e preserva a vida útil dos pneus”, conclui Rafael Astolfi.

Fonte: Continental.

Como aumentar a vida útil dos pneus de veículos de carga?

Os pneus constituem um dos itens mais importantes dos caminhões. Além de suportarem a carga e absorverem as irregularidades do piso, eles são responsáveis por transferir toda a potência da tração e frenagem do veículo ao solo. Além disso, eles representam um alto investimento dentro da planilha de custos dos frotistas e empresas. Por estes motivos, aumentar a vida útil dos pneus é fundamental para favorecer a segurança ao motorista e gerar ganho em quilometragem rodada, aumentando assim seu custo benefício.

Uma metodologia de grande impacto para aumentar a vida útil dos pneus de caminhão, tanto em primeira vida quanto reformados, é o controle dos “5 Ladrões de Quilometragem”: Alinhamento, Balanceamento, Calibragem, Desenho de Banda e o Emparelhamento. Se estes itens não forem bem avaliados e corrigidos, cada um deles, por si só, pode reduzir a quilometragem do pneu de 20% até 40%.

O rodízio de pneus também é essencial. Ele evita o desgaste irregular, fazendo com que o desgaste aconteça de maneira mais uniforme, prolongando assim a vida útil do produto. Outra dica importante é manter os pneus distantes dos derivados de petróleo ou solventes. Estes produtos atacam a borracha, fazendo com que ela perca suas propriedades físico-químicas e mecânicas, reduzindo a vida útil.

A recapagem, que permite reaproveitar com total segurança o pneu usado e adicionar a ele uma nova banda de rodagem (parte que entra em contato com o solo), também é uma prática consolidada no Brasil. Se realizado por um revendedor credenciado e com suporte do fabricante, o pneu reformado pode rodar tanto ou mais que um pneu novo e com 1/3 do valor de um pneu original.

A Bandag, empresa líder mundial no setor de recapagem que pertence à Bridgestone, possui a maior rede de serviços do Brasil para caminhões e ônibus, chamada BTS (Bandag Truck Service). Nos centros de serviços BTS, o transportador encontra, além de pneus novos e recapagem, um posto de serviço para manutenção completa, otimizando o tempo de parada.

Outro fator importante para aumentar a vida útil do pneu é o conceito de Ciclo de Vida Total, ou seja, podemos controlar a vida do pneu desde o início de operação, até a retirada dos pneus e reciclagem, preservando a natureza. São diferenciais como estes que somente a Bridgestone Bandag pode proporcionar ao consumidor, sendo a única com soluções completas.

Fonte: Bridgestone.

Coloque seu carro na linha

Para que seu carro não saia da linha, você precisa saber de alguns detalhes de como, quando e por que se deve fazer o alinhamento de rodas. O alinhamento é especificado pelo fabricante do veículo a fim de oferecer uma maior eficiência de rolamento, melhor dirigibilidade e otimização do grau de esterção. Qualquer alteração que ocorra nas especificações de alinhamento, ocasionada por impacto, trepidação, compressão lateral e desgaste dos componentes da suspensão, poderá comprometer o bom comportamento do veículo. Ou, ainda, provocar um desgaste irregular e prematuro da banda de rodagem. Pneus que “cantam” nas curvas e volantes que teimam em permanecer tortos nas retas são sintomas de desalinhamento. Para entender melhor a importância do alinhamento, verifique os itens a seguir.

Aqui vão algumas dicas de quando se deve fazer alinhamento:

  • A cada troca de pneus;
  • Quando os pneus estiverem apresentando desgaste excessivo na área do ombro;
  • Quando os pneus apresentarem desgaste da banda de rodagem em forma de escamas;
  • Quando um pneu tem maior desgaste que o outro;
  • Trepidação das rodas dianteiras;
  • Vibração do carro;
  • Volante duro;
  • O carro tende para os lados quando o motorista larga o volante;
  • O carro desvia e puxa para o lado quando os freios são acionados;
  • O veículo tende para a esquerda ou para a direita;
  • Em condições normais, a cada 5.000 km (por ocasião do rodízio e balanceamento).

 

Fonte: Goodyear.